Weby shortcut
topo2

Notícias

Opções Avançadas Busca exata  Todas as palavras  Qualquer uma das palavras
Projeto extensão Coletivo em nome delas
Coletivo "Em nome Delas"
Em 14/08/2018 às 13:49
Projeto de extensão aberto à comunidade visando à discussão e práticas acerca de violências contra mulheres e meninas. O primeiro encontro, com o tema "Conceituando Feminicídio", acontece no dia 20 de agosto de 2018, segunda feira, às 19 horas, na sala 2 do segundo andar da Faculdade de Odontologia, Praça Universitária. Clique, saiba mais, baixe os textos e veja toda a programação do semestre. Participe!

Nota de recesso
RECESSO - Horários de funcionamento do NDH em dezembro e janeiro
Em 14/12/2017 às 17:38

Atenção para os dias e horários de funcionamento do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos no final de 2017 e início de 2018:

 

 

  • 21 de dezembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018 – recesso
  • 09 a 31 de janeiro  de 2018 – apenas atividades internas, sem atendimento ao público.
  • A partir de 1º de fevereiro – atendimento normal

Atenciosamente,

Equipe NDH

Nota Marabá
NOTA DO NDH – ACAMPAMENTO HUGO CHAVEZ (MARABÁ-PA)
Em 13/12/2017 às 13:26

É com grande preocupação que o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos, da Universidade Federal de Goiás, acompanha os recentes fatos ocorridos no Acampamento Hugo Chávez, na zona rural de Marabá (PA).....clique para continuar

nota de repúdio
NOTA DE REPÚDIO - Caso Mayara
Em 02/08/2017 às 16:06

NOTA DE REPÚDIO

 

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos - NDH - UFG

Núcleo de Estudos sobre Criminalidade e Violência- NECRIVI - UFG

 Núcleo de Estudos sobre o Trabalho – NEST - UFG

Observatório Goiano de DH – OGDH

Ser-Tão – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade UFG

 

O brutal assassinato da jovem musicista Mayara Amaral, graduada na UFMS e mestra em música pela UFG, professora e arte educadora, choca tanto por sua crueldade, quanto por seus desdobramentos. Mayara foi espancada, violada sexualmente, assassinada a marteladas e carbonizada, após ter sido atraída por um homem, também musicista, a quem Mayara conhecia e em quem confiava. Não bastasse a hediondez do crime, o tratamento dado pela imprensa foi também impiedoso. A especulação criada em torno da relação entre a vítima e seu algoz e, também, a voz dada aos assassinos (tudo indica que em número de três homens) que pintaram uma cena de modo a tornar a vítima cúmplice da barbaridade que lhe tirou a vida, suscitam algumas questões em um Brasil que mata 13 mulheres por dia, de acordo com dados do Mapa da Violência. O inquérito policial aponta para latrocínio, crime contra o patrimônio que, por ser agravado pelo resultado morte e considerado hediondo, prevê pena mínima de 20 anos. Há um lado de nós que, a despeito de questões outras, quer ver os assassinos exemplarmente punidos e essa pode ser uma estratégia. Mas há um outro lado que extrapola as questões práticas e que coloca em evidência o quanto o feminicídio – homicídio de uma mulher praticado contra ela pelo fato de ser mulher – é desprestigiado sob o ponto de vista da punição em relação ao latrocínio, crime contra o patrimônio com resultado morte. E, ainda, o quanto no Brasil, país machista, patriarcal que subjuga mulheres nas esferas pública e privada, é ainda difícil caracterizar o feminicídio , embora, como dito, sejam assassinadas 13 mulheres por dia. Por último, o quanto a imprensa é leviana, ao ponto de, mesmo diante de uma morte em que há requintes de crueldade e impiedade ocupar-se em suscitar temas relativos ao comportamento sexual da vítima.

A musicalidade com a qual Mayara encantava aos que a conheciam está em silêncio, mas não podem ficar em silêncio aqueles que repudiam a violência contra mulheres, seja física ou escrita, material ou simbólica e, por isso, assinamos essa nota de repúdio.

Seminário Integrados  - 1/2017
V Seminário Integrador Internacional. Tema: Interdisciplinaridade, Interseccionalidade e Interculturalidade nas Pesquisas em Direitos Humanos.
Em 28/06/2017 às 15:41

O Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos da Universidade Federal de Goiás realizará nos dias 03 e 04 de julho de 2017, no Mini Auditório da Faculdade de Educação da UFG, o Seminário Integrador Internacional com o tema: Interdisciplinaridade, Interseccionalidade e Interculturalidade nas Pesquisas em Direitos Humanos.

Serão disponibilizadas 60 vagas com certificado de participação de 20 horas. Saiba mais...